A introdução alimentar e a importância da amamentação prolongada

A introdução alimentar e a importância da amamentação prolongada
Amamentação Bebês

As mamães de primeira viagem costumam ter inúmeras dúvidas sobre a alimentação do bebê, questionam-se frequentemente sobre o momento certo para o desmame e quando devem começar a introdução alimentar.

Atenção: a introdução alimentar não substitui o leite materno. Ficou confusa? Calma, Mommy! Trouxemos todas as principais dúvidas respondidas, para que você não se desespere e alimente seu filho do jeito correto.

Porque a introdução alimentar somente aos 6 meses?

Com menos de 6 meses, o bebê não tem maturidade neurológica, gastrointestinal e motora para poder receber outros alimentos. Após esse tempo, a criança já possui capacidade para sentar, sustentar-se (cabeça e tronco) e segurar os objetos e comidas.

Alimentar a criança antes dos 6 meses de vida pode resultar em engasgos e no aumento de intolerância e alergias alimentares, além de sobrecarregar os rins, pâncreas, fígado e intestino.

Como saber que meu filho está pronto?

Os bebês dão sinais de que estão prontos para ingerir novos alimentos, mas não tenha pressa, cada um tem o seu tempo. Pode ocorrer aos 6 meses, aos 7, aos 8, ou quando seu filho estiver pronto.

Confira alguns dos sinais:

  • A criança fica ansiosa para se juntar às refeições na mesa em família, tentando alcançar as comidas e/ou colocá-las na boca;
  • O bebê mostra-se disposto a mastigar;
  • Perde o reflexo de protrusão da língua e não empurra os alimentos para fora;
  • Começa a tentar pegar os alimentos com o indicador e polegar, fazendo um movimento de “pinça”.

Como começar a introdução alimentar?

É importante começar oferecendo, por dia, 2 papas de fruta e 1 de legumes. Papa é o alimento apenas amassado, sem bater no liquidificador para não perder o gosto e textura de cada alimento individualmente.

Cada grupo alimentar deve estar amassado, mas separado no prato para que a criança entenda o sabor e consistência de cada grupo.

A papa de legumes deve conter pelo menos 1 alimento de cada grupo alimentar:

  • Cereais e tubérculos (arroz, batata, batata-doce, macarrão, etc)
  • Hortaliças (abóbora, tomate, cenoura, folhas verdes, etc);
  • Carnes e ovos;
  • Grãos (lentilha, feijão, soja, ervilha, etc).

Sempre varie os alimentos. Se hoje testou a cenoura, amanhã teste o tomate, e assim por diante.

Quando entram os alimentos sólidos?

Após 1 mês de alimentos amassados, comece a introduzir pequenos pedaços sólidos na papa para estimular a mastigação.

Perto de 1 ano de vida, a criança já pode participar da refeição básica da família.

Meu filho não come, e agora?

Não se preocupe, Mommy! Não insista, apenas vá tentando a cada refeição, pois é normal que sejam necessárias algumas tentativas até o bebê aceitar.

Se ele não comeu tudo, não o force. Cada criança tem um apetite e aos poucos acostumará.

Porque não dar suco na introdução alimentar?

Um copo de suco contém 1,5x mais açúcar do que uma unidade de fruta, além de perder fibras e não estimular a mastigação. É uma péssima escolha de introdução alimentar.

Se, por qualquer motivo, não tem como dar a fruta, ofereça no MÁXIMO 150ml de suco e o menos peneirado possível.

Dê água

A água precisa ser filtrada, fervida e resfriada, mas não ofereça muito! Ela pode acabar ocupando o espaço dos alimentos, então dê apenas alguns goles após a refeição, ou se estiver muito calor.

Não acredite em tudo que lê

“Se ele atingiu o peso X, já pode introduzir os alimentos”: NÃO! A maturidade do trato digestivo e o desenvolvimento neuropsicomotor do bebê que fazem a diferença, não o peso do bebê.

“Ele precisa de alimentos, pois o leite materno não possui ferro suficiente”

NÃO! O leite materno possui menos ferro do que na fórmula, mas é muito mais facilmente absorvido pelo intestino do bebê.

As crianças alimentadas com fórmula tendem a perder ferro através de fissuras no intestino, que se desenvolvem como resultado de danos causado pelo leite de vaca, ao contrário de bebês amamentados.

Após os 6 primeiros meses, eles realmente precisarão de fonte adicional de ferro, mas pode ser facilmente obtido em pequenas quantidades de alimentos sólidos.

Continue amamentando, Mommy!

  • A amamentação é a base para a formação do sistema imunológico do bebê;
  • Pode prevenir o aparecimento de doenças crônicas;
  • Uma amamentação bem feita ajudará com a introdução alimentar;
  • O leite materno evita o contato com o leite de vaca e às fórmula não-hidrolisadas.
  • O aleitamento promove uma melhor nutrição, melhora o desenvolvimento da cavidade bucal e reduz a chance de obesidade;
  • Favorece a capacidade cognitiva;
  • Diminui o risco de colesterol alto, hipertensão e diabetes.

Se todos os bebês fossem amamentados nos 2 primeiros anos de vida, seria possível salvar a vida de mais de 820 mil crianças com menos de cinco anos no mundo, todos os anos, pois o aleitamento diminui a mortalidade infantil.

O leite materno permanece com inúmeros benefícios

Aos 2 anos de idade, meio litro de leite materno fornece 95% das necessidades de vitamina C, 45% de vitamina A, 38% de proteína e 31% do total de energia que a criança precisa diariamente.

Quanto menos a criança for introduzida ao leite de vaca, muito menores as chances de desenvolver alguma alergia relacionada.

As crianças não amamentadas aos 2 anos, tem duas vezes mais chance de ir a óbito devido a doenças infecciosas.

As mamães também ganham com a amamentação!

  • A amamentação reduz a depressão pós-parto;
  • Reduz o risco da mulher desenvolver diabetes tipo 2 após a gravidez;
  • O leite materno é acessível;
  • Amamentar previne o câncer de mama e ovário.

Então quando devo parar de amamentar?

Quando se sentirem preparados! A mãe e o bebê devem concordar com o desmame, então sinta seu filho através do lindo vínculo que a amamentação oferece.

Enquanto o aleitamento for prazeroso para ambos, não há nada que os impeça de continuar.

10 passos para um introdução alimentar de sucesso

  1. Não crie expectativas, pois o bebê só come o quanto precisa e o leite materno ainda é seu principal alimento;
  2. Não force, chantageie ou distraia com telas de tablet/computador: é extremamente prejudicial à saúde, pois comer necessita de atenção e ser prazeroso;
  3. Estabeleça uma rotina;
  4. Ofereça o máximo de alimentos naturais e orgânicos possível, sem muito sal ou temperos;
  5. Sente o bebê com a coluna reta para evitar complicações, como engasgos;
  6. Crie um clima agradável na hora das refeições, com conversas, sem tecnologias para que criança crie gosto de estar na mesa com os pais;
  7. Não peneire ou liquidifique a comida!
  8. Não ofereça doces, refrigerante e industrializados antes dos 2 anos;
  9. Organize as compras e prepare os alimentos antes: corte e congele em pequenas porções (dica amiga!);
  10. Varie! Ofereça diferentes cores, sabores e consistências.

Boa sorte, Mommy!

Respeite o tempo do bebê e desfrute da tão esperada primeira refeição em família.

Artigos Relacionados

Atenção mamães, fiquem atentas os cuidados que devemos ter com os bebês no carnaval

enfaisoldaborba

Rotina de sono de gêmeos ou trigêmeos

Mommy´s Angel

As Doces Aventuras no Mundo do Novo Papai

Mommy´s Angel

Deixe um Comentário